30 Anos SGAL

A SGAL – Alta de Lisboa comemora o seu trigésimo aniversário

 

Como tudo começou e para onde caminha

Passaram já 30 anos desde que foi lançado um dos maiores projectos para a capital portuguesa. Com o nome Alta de Lisboa, o empreendimento compreende uma área de 300 hectares e que pretende acolher 65 mil habitantes. Um desafio que nasceu com a pretensão de se tornar o lugar de eleição para habitar, trabalhar e relaxar na cidade de Lisboa. Uma nova área urbana que se implanta a Norte da Segunda Circular e a Poente do Aeroporto da Portela. A Alta de Lisboa localiza-se ainda no prolongamento das grandes avenidas da cidade, logo a Norte do Campo Grande no seguimento da Avenida da República.
A história da Alta de Lisboa tem início em 1984 a partir de uma parceria entre a Câmara Municipal de Lisboa como entidade pública e a Sociedade Gestora da Alta de Lisboa (SGAL), como empresa privada, estabelecida após um concurso internacional.

 

Um projecto em grande escala

Nunca em Lisboa se desenhou um projecto com esta dimensão e escala. Integra actualmente duas freguesias do concelho: Santa Clara (que resulta da junção das freguesias da Ameixoeira e Charneca) e Lumiar. O território da freguesia de Santa Clara situa-se na antiga zona “saloia” que abastecia a cidade, com suas quintas e campos de cultivo até às primeiras décadas do século XX.É actualmente uma freguesia dinâmica e com forte crescimento populacional, tal como a freguesia do Lumiar, criada em 2 de Abril de 1266, sendo uma das 53 de Lisboa e das mais populosas do concelho.

 

No papel de Urbanizador

Para o futuro, a SGAL tem áreas definidas para a construção de escritórios, hotéis e um centro comercial. Neste momento tem cerca de nove malhas para comercialização, com todos os loteamentos já aprovados. A procura de promotores nacionais e estrangeiros que acreditem no projecto para investirem, é uma das prioridades da actual administração da SGAL. A SGAL pretende ser o grande urbanizador da Alta de Lisboa. A sua estratégia é dinamizar e potenciar o território para que os promotores apostem neste projecto e transformá-lo no novo centro de vivência e de excelência da capital portuguesa.