Zonas Verdes

ESPAÇOS VERDES E PAISAGISMO

Quando concluídas, cerca de 70 hectares de novas zonas verdes a servirão a Alta de Lisboa, numa área de intervenção de 300 hectares.

Através da requalificação de grandes áreas verdes, como o Parque das Conchas e a Quinta dos Lilases, e da construção de raiz de novos parques verdes urbanos, como o Parque Oeste (Parque do Vale Grande) e do Parque de Calvanas, a Alta de Lisboa apresenta uma excelente relação entre os espaços verdes e a habitação, uma forma planeada e sustentável de urbanismo em que o verde estruturante se integra com o edificado e os espaços e zonas de lazer encontram-se perfeitamente misturados na malha urbana.

Quando concluídas, cerca de 70 hectares de novas zonas verdes a servirão a Alta de Lisboa, numa área de intervenção de 300 hectares.

SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A construção e o desenvolvimento da Alta integram equilibradamente aspectos económicos, técnicos, ambientais e sociais.

Certificado Ambiental. O futuro começa aqui
Os princípios relativos que sustentam a construção e o desenvolvimento do Plano de Urbanização da Alta de Lisboa integram equilibradamente aspectos económicos, técnicos, ambientais e sociais. A Alta de Lisboa é um grande projecto de desenvolvimento urbano, com mais de três dezenas de projectos. A aplicação de práticas eco-eficientes vai contribuir para que a Alta de Lisboa se transforme no espaço ideal para as gerações actuais e futuras viverem em harmonia com o ambiente.

Aqui as fontes de energia são renováveis
A Alta de Lisboa está na linha da frente na utilização das mais recentes tendências no domínio da construção sustentável e do uso de fontes de energia renováveis. Neste quadro de orientações é objectivo da Alta de Lisboa aplicar o Sistema LiderA, marca associada ao Instituto Superior Técnico, a toda a área do empreendimento. A certificação de sustentabilidade ambiental de todo o Empreendimento já está em curso a par da certificação energética dos edifícios, actuais e futuros.

Redução, Reciclagem e utilização de energia solar e eólica
A SGAL, em parceria com a CML, tem em preparação um conjunto de medidas que irão promover a redução dos consumos energéticos e de água nos espaços públicos e privados, a reciclagem e a utilização dos recursos naturais, como a energia solar, a eólica e as águas pluviais para utilizações nos edifícios e nos espaços públicos.