Inauguração da micro geração

A SGAL – Sociedade Gestora da Alta de Lisboa – congratula-se com a inauguração da instalação dos sistemas de produção de electricidade através de energia solar (painéis fotovoltaicos) no condomínio dos Jardins de São Bartolomeu, na Alta de Lisboa, sob a iniciativa e responsabilidade das Administrações de condomínio.

Esta iniciativa pioneira, enquadrada no programa “Renováveis na Hora”, integra-se na promoção da microprodução de energia eléctrica utilizando fontes renováveis e visa reduzir os custos de funcionamento (consumos) e criar receitas (produção) desde o primeiro ano. Com este programa, que colocou um total de 16 unidades de microprodução e 288 painéis fotovoltaicos, este condomínio irá transformar-se num produtor de energia contribuindo, dessa forma, para o cumprimento dos objectivos nacionais de utilização de energias renováveis e de redução do efeito de estufa – a produção de cerca de 80 MWh/ano, evita a emissão de 38 toneladas de CO2 eq..O projecto foi desenvolvido de acordo com os critérios do sistema LiderA, do Instituto Superior Técnico, e vai ao encontro de um dos objectivos da SGAL: transformar a Alta de Lisboa no primeiro “bairro” em Portugal com certificação ambiental e certificação de qualidade. As grandes apostas da SGAL para a obtenção de certificação ambiental, centram-se no cumprimento da nova legislação de certificação energética de edifícios e da promoção dos 3 R’s – reutilizar, reduzir e reciclar – com particular enfoque na redução de consumos e reutilização de recursos naturais. Cuidados acrescidos na construção dos empreendimentos e na gestão e desenvolvimento dos espaços públicos, irão traduzir-se no posicionamento da Alta de Lisboa como uma zona na qual a qualidade ambiental e a sustentabilidade na construção serão características marcantes.

Alguns Números do Projecto nos Jardins de São Bartolomeu
Colocando as pessoas no centro da mudança e as mentalidades como o princípio motor dessa mudança, o projecto destaca-se ainda por sensibilizar e mobilizar a sociedade civil em prol do desenvolvimento sustentável de uma forma economicamente viável, como se evidência por estes números:

  • 374 fracções (apartamentos e lojas) nos Jardins de São Bartolomeu
  • 16 unidades de microprodução (fotovoltaica)
  • 288 painéis fotovoltaicos (a título meramente de exemplo corresponde a cerca de 0, 55% da maior central solar nacional construída com 52.300 painéis em Serpa)
  • 500m2 de área ocupada (31,2% da área utilizada na maior central solar térmica nacional na sede da Caixa Geral de Depósitos com 1.600m2)
  • 58,8 kW potência de ligação à rede eléctrica de serviço público (o que equivale a cerca de 16% do consumo actual do condomínio)
  • 80 MWh/ano de produção eléctrica (equivale ao consumo anual de cerca de 70 indivíduos ou 23 famílias)
  • 38 Toneladas de CO2 eq./ano de emissões evitadas de gases com efeito de estufa (equivale às emissões de 18 veículos ou 5 viagens de avião (ida/volta) entre Portugal/Nova Zelândia)
  • + 315 mil euros de investimento (retorno estimado do investimento 6,5 anos)
  • + 50 mil euros/ano de receitas pela venda da energia produzida (o equivalente a cerca de 95% dos custos actuais do condomínio com electricidade)